30/12/11

Try again!

Gostava imenso daquela música da Aalyhah ou que raio a moça se chamava que aparecia naquele filme com o Jet Li (um dos meus grandes paradoxos é gostar do Jet Li) sobre não desistirmos perante a adversidade e reerguermo-nos sempre após uma queda. Não se riam, a letra da música até é bastante inspiradora.
Anyway, dei por mim a pensar nessa música quando vi a Danoninha e a Emma a brincarem no outro dia. Pusemos uma manta no chão para a Danoninha ir para lá brincar e claro a Emma quis logo ir lá deitar-se. Enfim, uma manta branca acabada de lavar *suspira e passa à frente* mas até nem foi mau de todo porque assim se a miúda tombasse tinha logo ali um amparo, pensei eu.
A cadela parecia estar a tomar conta da bebé, um must. Lá ia cheirando os brinquedos que ela levava à boca e tal, a Danoninha esticava-se para lhe fazer festinhas e tal, o retrato da família feliz, estão a ver? Até que a Emma pôs a pata em cima da Danoninha para pedir mais festinhas, só que é uma pata pesada e com unhacas e a bebé assustou-se e começou a chorar.
Um aparte: cá em casa nunca damos muita importância a estas pequenas coisas não só porque muitas mais virão, como também porque achamos que não ligar muito é a melhor maneira para ela se distrair com outra coisa e esquecer mais facilmente o susto ou a dor que possa ter tido. Pode parecer mal para quem está de fora, mas a verdade é que não a queremos educar para ser uma mariquinhas ultra-protegida a quem se dá colo mal espirra. (Tirando isso ela tem mimo suficiente de toda a gente, acreditem.)
O certo é que a miúda é toda despachada porque logo a seguir já estava a fazer festinhas à Emma outra vez como se nada tivesse acontecido. Assim é que é, filha!

28/12/11

Houston, we have a problem!

Como devem imaginar, a Danoninha foi a estrela deste Natal e recebeu TONELADAS de presentes. Desde livros (sim, para começar desde pequenina e não é que ela adora? ai o orgulho da mamã), a peluches e a brinquedos com música e daquelas para encaixar as formas.
Pois, o problema começa com os barulhos. Sabem aqueles brinquedos que fazem "aquele" barulho irritante e agudo quando são apertados? A Emma vem logo desde a outra ponta da casa (pronto, a casa também não é propriamente grande) toda aflita para ver o que se passa. E depois o problema continua com as formas e as bolas. Aparentemente, a Emma não liga muito aos quadrados e triângulos e estrelas, se bem que eu tenho imenso medo que ela se ponha a roê-los como começouu a fazer com as peças de lego. As peças são grandes para a bebé e não constituem perigo para ela, mas cabem perfeitamente na boca dos monstrengos, por isso tenho de estar sempre com mil olhos. Mas as bolas... ui... tem sido uma disputa (no bom sentido, ninguém se zanga). Temos andado a ensinar a cadela a não ir atrás das bolas da bebé, porque depois ambas querem lambê-las e é uma promiscuidade de germes. Se bem que tendo em conta todas as lambidelas que a Danoninha já levou em cheio na cara acho que já vamos tarde para isso. hehehe

26/12/11

Ninguém leva a mal?

Ai isso é que levo, estamos no Natal, não no Carnaval (e ainda que fosse Carnaval, levava a mal na mesma).
Então não é que atiraram um ovo à janela da cozinha? E nós em casa, nem demos por nada. Só quando a Emma começou a snifar a janela muito interessada é que o Dono reparou. E eu apanhei um frio danado a tentar limpar aquela nhanha do vidro, da calha, do parapeito, enfim... Hoje acordei cheiinha de dores de garganta, com o corpo todo dorido.
Mas essa não foi a única coisa que me estragou o fim do Natal (que, de resto, foi fantástico). De todos os doces que havia em todos os sítios por onde andámos (casa da avó do Dono, casa dos pais do Dono, casa dos meus pais), a única coisa que veio cá parar a casa foi um maravilhoso bolo de maçã e nozes feito pela minha mãe. Resisti ao pudim, à mousse, ao bolo de bolacha, às fatias douradas, a tudo. Mas daquele bolo eu tinha de trazer umas fatias. Pois o menino Sushi decidiu que merecia um presente de Natal também... e comeu tudo. Apanhei-o em flagrante, a lamber do chão as últimas migalhas e depois ainda teve a lata de me pedir água. Vá lá que não era uma grande quantidade, vá lá que não era de chocolate (se fosse, em vez de estar roída estava era preocupada). Mas bolas... ele nunca faz disparates e tinha de aprontar uma destas. Opá... eu vivo para comer, ok? Eu tenho mesmo mesmo mesmo muito gozo em comer. Se me tiram isso...

21/12/11

Para os mais distraídos

Desengane-se quem pensa que a nossa vida é perfeita. Somos felizes, mas não somos perfeitos.

Ainda hoje acordei ao som do choro da Danoninha e com um maravilhoso cheiro a cocó vindo da cozinha. Quando para lá me dirigi para preparar um biberão encontrei também uma piscina de xixi a acompanhar.
Muitas vezes a bebé acorda porque a Emma ladra, ou porque os cães fazem muito barulho com as unhacas no soalho flutuante (mas mesmo assim não me arrependo de ter travado essa batalha), ou porque é um entra e sai constante de idas à rua para passeá-los e de limpar as patas à entrada e de tirar trelas e de sei lá mais o quê.

A boa notícia é que as toalhitas que não usamos na bebé para não ficar com o rabinho assado (para quem não sabe é melhor usar gazes embebidas em água ou em água perfumada) são óptimas para limpar os ouvidos dos cães. Aqueles que limpo ainda mais raramente desde que a Danoninha veio ao mundo, sabem? :D

E agora vou-ali-já-vejo lavar o tambor da máquina da roupa que ficou cheio de pêlos desde que lavei as mantas dos cães e já tive de lavar duas peças de roupa da Danoninha à mão.

Fui!

14/11/11

Sucesso!


Montámos a árvore de Natal pela primeira vez desde que temos os monstrengos. O Dono não liga tanto quanto eu e a preguiça falava sempre mais alto. E, como podem ver, não é propriamente uma coisa que eu conseguisse fazer sozinha... Mas este ano, graças à Danoninha, lá o consegui convencer.
E adivinhem? Nenhum dos cães alçou a perna (sim, às vezes a Emma alça a perna LOL) e nenhum deles quis brincar com as bolas da decoração.
Diria que foi um sucesso e que para o ano há mais!!!

07/11/11

Mega oops!

Hoje quando estava a refilar com a Emma para não roubar comida da bancada da cozinha a Danoninha ficou a olhar para mim muito séria e com beicinho, que é o ar que ela faz quando resmungo com ela (nomeadamente quando estou a TENTAR mudar-lhe a fralda e ela se contorce como se estivesse possuída pelo demo). Tadinha, achava que eu estava a ralhar com ela! Quem me mandou dar-lhe um nome parecido com o da cadela? Mais valia que o nome dela fosse parecido era com o do Sushi, porque com esse nunca ralhamos. hehehe

04/11/11

Quem manda aqui... é a Emma


A Danoninha não só leva com as lambidelas faciais da Emma (nesta foto ainda está a recuperar de uma que não consegui evitar precisamente porque estava a tirar a foto) e ainda tem de partilhar os brinquedos, sobretudo esta bola - que deixa a Emma histérica. Já sei que com a Naomi e a Leonor acontece o mesmo, por isso nitidamente é uma dinâmica entre labradoras e princesas...

27/10/11

A vingança é um prato que se serve... molhado

A Emma decidiu atacar o caixote de fraldas da Danoninha. Foi uma proeza digna de Timonstro e o cenário com que me deparei quando cheguei a casa deixou-me... nem vou dizer porque não quero dar um mau exemplo à minha filha.
Eu sei porque é que ela se quis vingar, e nem acho que tenha assim muita razão, mas pronto, escusava era de ter sido assim...

20/10/11

Carimbo


O tempo não estica mas às vezes ao serão lá consigo avançar alguma coisa nas minhas costurices. (Pobre Danoninha que já ouve falar nesta manta de retalhos para ela desde antes de nascer! hehehe)
Numa noite destas, numa fase que implicou estender a dita manta inacabada no chão, a Emma decidiu vir dar a sua aprovação!

03/10/11

Smile, you're in candid camera!


A cabeça do Dono está cortada, a do Sushi também, toda a imagem está desfocada... but who cares? A expressão de felicidade da Danoninha em cima do seu "pónei" fala por si!

30/09/11

Carpe diem

São raras as oportunidades de irmos passar um fim de semana fora.

É preciso que haja disponibilidade e dinheiro.

É preciso que seja um sítio que dê para levar os cães. É preciso que nesse sítio não haja outros cães nem muros que o Sushi possa saltar para ir atacar outros cães.

É preciso que seja um sítio adequado para a Danoninha. Sem fumo de tabaco, sem ar condicionado, sem frio/calor, sem melgas, sem muita gente e muita confusão, com espaço para as tralhas dela, com micro-ondas e frigorífico...

É preciso que, caso mais alguém vá connosco, se trate de alguém que não se importe de aturar uma bebé a chorar de noite, a impestar o caixote de lixo com fraldas sujas, a ter de comer a horas certas, a ter de dormir sestinhas em sossego.
E que essa pessoa ou pessoas também não se importem de levar com dois cães abrutalhados, que largam pêlo, querem comer tudo, dão beijinhos a toda a hora independentemente de terem ou não mau hálito, que às vezes ladram e acordam a já referida bebé que depois chora...

E depois há o factor Dona e Dono. Eu fico insuportável quando estou com fome. O Dono é viciado em coca-cola. Eu sou um bocado control-freak (não se nota muito, mas sou). O Dono fuma. Eu rio-me alto. O Dono não gosta de jogos de tabuleiro. E gostamos de dormir até tarde. E não gostamos muito de ir à praia. Enfim, nem toda a gente nos atura.

A nossa família não é silenciosa. A nossa família é uma confusão. E ou gostam ou não gostam.

Mas quando surge uma oportunidade que reúne todos os requisitos acima mencionados, nós aproveitamos.
Portanto, depois de preparar a nossa mala, a dos cães, a da bebé, a saca de ração, a comida da bebé, as fraldas da bebé, a máquina fotográfica, a cama de viagem da bebé e mais alguns milhares de coisas que entretanto me lembre... lá vamos nós! IUPI!

27/09/11

Frase do dia

Dona - A lata de leite da Danoninha já não tem suficiente para uma refeição.
Dono - Então mistura esse restinho com a próxima lata.
Dona - Não posso, esta nova lata é diferente.
Dono - Olha lá, quando mudamos a ração dos cães também não fazemos mistura para eles se adaptarem aos poucos? Então, é a mesma coisa!

Contra factos não há argumentos.

23/09/11

Pré-lavagem

Os monstrengos sempre gostaram de fazer uma pré-lavagem à loiça quando estou a pô-la na máquina de lavar.
Agora pelos vistos preferem lamber a Danoninha antes de ela ir para o banho.
E depois lá ando eu de compressas molhadas na mão a limpar-lhe as mãozinhas antes que ela as leve à boca.

22/09/11

Frase (com imagem) do dia



Comprei recentemente este brinquedo para a Danoninha.
Quando o viu, o Dono disse: "A Emma é que ia adorar isto."

Não é preciso fazer mais comentários, pois não?

17/09/11

Só para contar como foi...

Namorámos e divertimo-nos, mas passámos grande parte do tempo a ver fotos e vídeos no telemóvel... adivinhem... a matar as saudades da Danoninha e dos monstrengos!!! Ai que melosos que nós somos...

E soubemos depois que para minha grande vergonha a Emma se portou mal e havia presente na cozinha quando o padrinho da Danoninha cá veio passeá-los. O coitado esteve a limpar tudo (um amor este nosso compadre) e depois por azar quando foi encher o bebedouro deles entornou a água toda e lá teve ele agarrado à esfregona outra vez. Acho que ficaram BFF's hehehe

Enfim, foi uma óptima escapadela, mas não há nada como a nossa casa, a nossa cama e os nossos 3 amores!

PS - A melhor surpresa: no hotel onde ficámos pode-se levar animais :) Para a próxima já sabemos!

16/09/11

Schiuuu! Não digam a ninguém!

Mas eu e o Dono vamos celebrar o nosso 5.º aniversário de casamento numa noite romântica só para os dois. Com direito a jantar num restaurante supimpa e a massagem de 50 minutos no hotel, etc e tal. ROAM-SE :)

A Danoninha fica com a avó (com quem passa o dia e a quem está super habituada).
Os monstrengos ficam a cargo do padrinho da Danoninha.

E nós vamos namorar que bem merecemos! (mas que vai custar estar longe deles os 3, lá isso vai!)

13/09/11

Grrrr

Agora que os dentinhos estão a começar a querer romper, a Danoninha morde mais do que alguma vez os monstrengos morderam. Afinfa-lhe bem o dente, filha! (nas outras pessoas, não em mim, está bem?)

10/09/11

Vou acabar por ficar com a mania da perseguição

Uma semana inteira com temperaturas acima dos 30ºC e tinha de chover precisamente quando eu decido lavar as toalhas dos cães? E, para a ironia ser completa, começou a chover pouco depois de as pendurar no estendal!
Teria piada se não fosse tão irritante. Agora limpo as patas dos cães a quê, digam-me lá? É que são muitas patas! Ao final do dia são 24 patas!
Não é justo...

09/09/11

Reforço positivo

Num dos vários livros de puericultura que li (não esqueçamos que ler é a minha profissão) falavam sobre a importância do elogio à criança mas também sobre como não devemos banalizá-lo, porque às tantas não só ela fica muito insegura e constantemente dependente da nossa aprovação, como o próprio elogio perde o seu significado original e torna-se apenas uma resposta automática. Além disso, deve ser proporcional à idade da criança e à dificuldade envolvida naquilo que motiva o nosso elogio. Não faz sentido elogiar uma criança de 3 anos sempre que ela agarra um objecto, por exemplo, mas para um bebé de 3 meses isso é um grande feito.
Tudo isto faz muito sentido mas ontem a Danoninha fez uma coisa que me deixou tão contente (uma coisa tão básica como ficar sossegada no carrinho dela enquanto eu lavava as mãos porque tínhamos chegado da rua) que só me apeteceu... dar-lhe um biscoito.
Riam-se à vontade. Mas fiquem descansados. Eu sei perfeitamente que dar recompensas à minha filha NÃO é a forma como a quero educar. Não me ocorre nenhum ponto em comum entre a educação dos monstrengos e da Danoninha, a não ser a coerência, o mimo e os cuidados com a alimentação e a saúde e o respeito pelas rotinas (por "respeito" entenda-se nós é que nos lixamos para que eles os 3 tenham as suas rotinas o menos alteradas possível).
Acontece apenas que naquela altura um elogio não me pareceu o suficiente. E como não dá propriamente para lhe dar um biscoito, que era o que eu estava habituada a fazer antigamente, dei por mim a pensar qual seria então a reacção mais adequada da minha parte. Fiquei-me pelos elogios, OBVIAMENTE, mas caprichei nos agudos e nos diminutivos e nas caretas. Devo ter feito uma bela figura...

08/09/11

Comparações politicamente incorretas

Conheço quem cozinhe de propósito um peitinho de frango, sem gordura, sem sal, etc e tal, para delírio do seu canídeo.
Pois hoje eu dei por mim a cozer um bife de peru, sem gordura, sem sal, etc e tal, para pôr na sopa da Danoninha.

E que se lixe quem não gosta que eu compare a minha filha aos meus cães!

29/08/11

E hoje para o jantar temos...

Feijoada.
Não é um trocadilho, hoje o jantar cá em casa foi mesmo feijoada. (Dono do meu coração, se estás a ler isto - duvido - pára por aqui.) Enquanto o Dono via o jogo do Benfica com a Danoninha, eu e o Sushi partilhámos umas rodelinhas de chouriço... É verdade. Hoje o meu cão (a)provou o jantar.

20/08/11

Um balde e uma esfregona, por favor!

Ora, venha daí um balde e uma esfregona, se faz favor, para eu limpar toda esta baba!

A Danoninha fez 5 meses e está um "show": já se senta, agarra os pés, vira-se, parece por vezes reconhecer o nome dela quando a chamamos, ri-se muuuito a toda a hora para toda a gente, palra imenso (tem a quem sair), come a sopa e a papa e a fruta e o leite e mais houvesse (tem a quem sair) e até já está a começar a ter os dentinhos. ~
Mas há outra coisa que ela faz que me deixa especialmente derretida: sempre que vê os monstrengos estende a mão para lhes fazer uma festinha. E sempre que recebe uma lambidela ri-se, claro! Opá... Digam lá se não é mesmo o máximo? Não é por ser a minha filha e os meus cães mas... fogo... Digam lá se não é O MÁXIMO???

hehehehe

18/08/11

A Emma 2

O SOS Animal acolheu uma labradora amarela, ainda jovem, que ainda não se sabe se está simplesmente perdida (não há anúncios) ou foi abandonada - já se sabe como é no Verão...
Foi baptizada de Emma... em homenagem à nossa Emma, pois claro!

Por enquanto está em FAT (vamos lá a ver se não se torna FAD...) e se no início se dizia que era mais calma do que a Emma 1 agora que ganhou confiança a coisa já não é bem assim. Porque quem sai aos seus não degenera e labradora que se preze tem de ser saltitona, lambidona e comilona :)

O Dono conheceu-a hoje porque foi à clínica do SOS Animal buscar os comprimidos do Sushi (que anda, para variar, a lamber/morder as patas e fica cheio de feridas) e comentou que ela é um pouco mais clara e mais pequena do que a nossa (e que a nossa é mais bonita, mas isso já são coisas de Dono Babado).

Por favor, espalhem a notícia: há uma labradora sem dono ou à procura do seu dono!

04/08/11

Interacção

A Danoninha olha muito para os cães e estica a mão para lhes tocar. A Emma farta-se de lhe dar lambidelas.

Sou uma Dona Mãe muito feliz.

23/07/11

A canção não é bem assim...

Come a papa Danoninha, come a papa.
Come os restos de papa Emma, come os restos de papa.

A Danoninha comeu tudo tudo tudo (tem bem a quem sair), mas os pingos que cairam no chão ou na minha roupa ou nos meus chinelos (aiii a falta de jeito) foram testados e aprovados pela Emma.

Acho que hoje demos mais uma razão à Emma para que goste da Danoninha heheh


PS - Há bocado as duas disputaram o mesmo brinquedo, pena foi não ter conseguido tirar foto.

Sobre o Chiquinho

O Chiquinho resulta mesmo se:
- não houver tapetes. Ele é capaz de subi-los mas não consegue arrancar pêlos que se entranham. As escovinhas que possui para andar servem para "levar à boca" os pêlos que encontra pelo caminho, ou seja, os pêlos são como que varridos para dentro do depósito e não propriamente arrancados dos tapetes/alcatifas/etc.
- houver uma manutenção a nível de esvaziar o depósito e limpar as escovas e as rodinhas (no nosso caso de todas as vezes que ele funciona).
- for usado com frequência e não como substituição de uma limpeza semanal mais profunda (neste momento em que o Sushi já parou de perder pêlo mas agora está a Emma, temos usado duas vezes por dia, depois contamos reduzir para apenas uma).
- não houver fios à solta em casa, mas quem tem gatos à partida nem os tem...
- for usado durante o dia, o que implica ter as portas de todas as divisões abertas, ou então à noite mas com luzes ligadas, porque ele precisa de ver o tecto para que os sensores detectem onde já foi e onde ainda não passou.
- não houver bugigangas e berlicoques frágeis nos móveis porque nem sempre ele detecta e pára a tempo, às vezes choca contra as coisas (todo à volta é feito de "pára-choques" para não se estragar nestes embates) e pode fazê-las tombar para o chão partindo-se. Numa casa tão minimalista quanto a nossa, em que não há nada em cima de móveis, estamos descansados, mas a casa da minha mãe, por exemplo, é um autêntico museu de loiça e caixinhas e bules e tretas.

Respeitando todas estas condições, o Chiquinho é o melhor amigo de quem tem animais. E os cães fogem dele, portanto sem crises!

16/07/11

Apresento-vos o 6º habitante da nossa casa: o Chiquinho!



Vai passear 2x por dia e temos de lhe esvaziar-lhe as "tripas" sempre que ele passeia, mas até agora estamos muito satisfeitos. É muito bem educadinho, passeia quando mandamos e vai para a caminha sozinho quando está cansado. E sai barato, porque afinal de contas come pêlos de cão! hehehe

Que grande prenda de anos, hein?

13/07/11

Ando para cá vir há uns dias...

Mas o tempo não estica.

A minha licença de maternidade está a acabar :( O Dono tirou férias para estarmos juntos estes últimos dias (depois dos quais ele fica de licença e eu vou trabalhar, porque, como ele diz, alguém tem de trabalhar nesta casa LOL) e temos andado ocupadíssimos a ver creches.

No entretanto:
traduzi mais um livro;
o Sushi teve um fungo horrível e está todo rapado no lombo, rabo e cauda;
a Emma coçou-se tanto no pescoço que ficou com uma pelada (não tinha nenhuma pulga ou carraça, já verificámos) e tem andado a lamber-se nas patas mas felizmente não fica com as feridas do mano;
a Danoninha descobriu os pés e quase já dobra o riso;
acabámos por ainda só passear uma vez junto à praia e outra no jardim...

E assim estão a ser as nossas "férias".

A partir de 2ª feira vai ser a doer (e na 3ª começa o festival de comida pelo chão porque a Danoninha completa 4 meses e isso significa... PAPAS! Vais ser um regabofe para os monstrengos hihihi)

29/06/11

E o Sushi?

Tenho falado bastante na interacção entre a Emma e a Danoninha, nada sobre o Sushi. Pois este nosso cão panhonhas não está nem aí. Não demonstrou a curiosidade inicial da Emma, nem a mesma inquietação na presença de estranhos, nem a mesma contenção nas reacções para não acordar a bebé como a Emma (tão lindaaaaa). É como se nada fosse. Aliás, a única coisa que ele parece sentir é um certo receio. O pobre do cão às vezes vem cheirá-la, sempre a medo, sem nunca se chegar muito perto. Mas não parece ser medo em relação a ela, mas sim que nós refilemos com ele por ousar aproximar-se demais da bebé. Ai cão, o que será que te fizeram na tua outra vida (é assim que me refiro ao passado dele antes de ser nosso) para que ainda hoje andes meio que a pisar ovos??? :(

19/06/11

Frustração

Deve ser esta a frustração que me espera quando passar o dia no trabalho longe da minha pimpolha e alguém depois me contar: ela hoje fez isto e aquilo e aqueloutro.
O Dono está ali com ela ao colo, na mesma divisão em que também estou, e mesmo assim eu não testemunhei um momento que acabou de acontecer e que para mim é super importante: a Danoninha deu a sua primeira festinha à Emma. Hoje, no dia em que faz 3 meses. Lindooooo!!!
Beijinhos da Emma à Danoninha já tinha havido alguns, cheiradelas do Sushi também. Mas pela primeira vez a Danoninha olhou realmente para a Emma, estendeu a mão, tocou o focinho dela e em troca recebeu uma lambidela. Volto a dizer: lindooooo!!!
Uma grande amizade is in the works :)

18/06/11

Mais uma prova

A prova de que os animais e as crianças SÃO compatíveis é que hoje pela primeira vez fomos a um casamento sem precisar de pedir a alguém que ao final da tarde viesse cá a casa dar comida e passear os cães ou, como mais frequentemente acontecia, sem o Dono ter de se ausentar temporariamente do casamento para vir ele fazer isso (o que era especialmente chato para mim nos casamentos em que não conhecia ninguém porque ficava lá sozinha e também muito chato para ele que tinha de despir o fato, passear os cães e depois vestir-se novamente).
Ontem não. Bateram as oito da noite e nós ala para casa que a bebé já está farta desta confusão toda.
E os nossos cães agradeceram.

PS - For the record, a seguir ao meu, foi o melhor casamento a que alguma vez fui (e o único a que fui de havaianas).

14/06/11

Vocês não vão acreditar nisto...

Fui acusada de não querer ajudar a dar a gata. Ya. Eu a não querer ajudar um animal? Ainda por cima um animal que eu acho que não fica bem entregue se ficar em casa dos meus sogros? Diria que tenho todo o interesse em arranjar-lhe uns donos melhores, mas pelos vistos a minha sogra acha que não.
Eu limitei-me a dizer à minha cunhada que a minha amiga Lígia do SOS Animal estava sobrecarregada com muitos gatos e que não deveria conseguir acolher mais nenhum. Isto significa apenas duas coisas: 1. Que a minha cunhada teria de ser FAT da gata. 2. Que eu e o SOS Animal poderíamos ajudar de outras formas, nomeadamente, divulgando.
Mas o que é que a minha cunhada foi dizer à minha sogra? Que eu não queria ajudar. E o que é que a minha sogra fez? Acreditou. Nem sequer achou estranho eu fazer uma coisa tão pouco típica em mim, nem sequer deu o benefício da dúvida, nem sequer me perguntou porque é que eu não queria ajudar, nem sequer me disse que estava chateada por eu supostamente não querer ajudar.
Os dias passaram-se, eu achei estranho a minha cunhada não voltar a pedir-me ajuda, nem um email ela me mandou para eu poder divulgar entre os meus contactos, nem sequer me pediu para divulgar através do SOS Animal. Eu calculava que a minha sogra não estivesse nada satisfeita com a história, então não liguei lá para casa a tocar no assunto para não deitar mais achas para a fogueira. Mas fui ao mural do facebook da minha cunhada, saquei a foto e divulguei o apelo. E no sábado quando estive com a família do meu marido, tivemos a conversa que eu descrevi no meu post anterior. O tempo todo a minha sogra esteve de trombas, mas eu achei que se devia à situação de ter uma gata em casa a contragosto.
Não. Soube depois que ela estava de trombas COMIGO porque eu não quis ajudar. E que ela é que mandou a minha cunhada não voltar a pedir-me ajuda. E que nas minhas costas contactaram o SOS Animal sem dizerem que eram da minha família. Não percebo essa parte, quereriam confirmar se eu estava a dizer a verdade quando avisei que provavelmente não poderiam receber mais animais?
E agora aproveito para dizer em minha defesa que quando a minha cunhada me falou pela primeira vez na gata e me disse que queria o contacto do SOS Animal a conversa foi à janela, de manhãzinha, com a bebé a chorar e eu com apenas 4 horas de sono em cima. Se calhar fui um bocado antipática, se calhar quando a minha cunhada quis impingir a gata ao SOS Animal eu pus logo aquele ar de "isso não funciona bem assim" porque há muitas pessoas que não têm noção das dificuldades que as associações passam e acham que podem simplesmente despejar os animais em vez serem FATs individualmente, coisa que a minha cunhada poderia perfeitamente ser.
E também aproveito para dizer que há alguns meses houve um mal entendido semelhante, em que alguém foi dizer à minha sogra que eu tinha dito uma coisa que eu não disse e ela simplesmente acreditou, amuou e deixou de me falar. E dessa vez quando tudo se resolveu eu disse-lhe abertamente que se voltasse a haver uma situação assim ela tinha de conversar comigo, não podia simplesmente acreditar e ficar chateada comigo.
Se ela não aprende com os erros, se ela quer ser injusta e se ela me tem em tão pouca consideração ao fim de 11 anos supostamente a conhecer-me como pessoa (bolas, até quem lê o meu blog tem melhor opinião de mim do que ela, pelos vistos) então não me interessa ter uma pessoa assim na minha vida. Por isso neste momento quem não lhe fala sou eu. Tivemos uma discussão e saí de casa dela antes que dissesse alguma coisa que depois me arrependesse e desde então não lhe falei mais nem tenciono voltar a mostrar-lhe os dentes.
Pode parecer uma medida extrema, pode parecer que "só por causa de uma gata" não era caso para isto tudo. Mas não se trata da gata. Querem ficar com a gata, fiquem. Eu acho que ela não fica bem entregue, mas a casa não é minha, a família não é minha, a decisão não é minha. Daí até me apunhalarem pelas costas, difamarem-me, julgarem-me, nem sequer falarem comigo para me dar hipóteses de me defender ou de esclarecer um mal entendido que eu nem sequer sei que está a haver... epá... não é só uma gata, é uma falta de consideração.

PS - É óbvio que a minha cunhada quer à força toda ficar com a gata e que nem sequer se esforçou muito para lhe arranjar donos. Não a divulgou, não recorreu à minha ajuda, não esgotou todos os meios nem esperou tempo nenhum. Em menos de uma semana já tinha manipulado a mãe para ficar com a gata. Não é com ela que estou chateada porque consigo ver perfeitamente porque é que ela disse à mãe que eu não a ajudei, sem sequer se aperceber das consequências e da infantilidade com que a minha sogra iria reagir. Quem se lixou fui eu, que fiquei como a má da fita que não quis ajudar. Ai da minha sogra que um dia se queira livrar da gata e me acuse de ter a culpa por a gata lá ter ficado. No dia em que ela fizer isso, não só não me vê os dentes como se calhar arranco-lhe os cabelos. Eu sou muito boazinha até ao dia em que me f0d3m... Pardon my french...

12/06/11

Deveria ser uma boa notícia...

E eu deveria estar contente. Mas não é e não estou.
Pois então parece que a minha cunhada quer ficar com a gata, que eu entretanto soube que se chama Chibi. Quando lhe perguntei se era uma decisão oficial e se realmente iam parar de tentar arranjar-lhes uns donos, esperava uma resposta sentida como: "sempre quis ter uma gata" ou "afeiçoei-me tanto à gatinha que agora já não consigo separar-me dela". Em vez disso, a resposta obedeceu a uma lógica um pouco invertida na minha opinião. Vão ficar com a gata porque já compraram as coisas todas de que ela precisa (caixote, cama, comida, etc). Porque já compraram? Ficam com ela porque já compraram? Não deveria ser "comprámos as coisas porque vamos ficar com a gata"? Mais alguém nota a contradição?
Se calhar sou eu. Devo ser eu. Ando há 11 anos a ouvir a minha sogra dizer que não suporta gatos, que os gatos isto e aquilo, ui credo gatos. Em casa da avó paterna do Dono há uma gata e deviam ver a cara de nojo e de repulsa que a minha sogra faz se a pobre gata tem a ousadia de lhe aparecer à frente. Se calhar a minha cunhada tem memória curta ou selectiva, porque subitamente esqueceu-se que ainda vive em casa dos pais e que a mãe não gosta de gatos e que isso é tudo assim um bocado para o... sei lá... Incompatível? Utópico? Hmmm
Gostava muito sinceramente de estar enganada. Gostava de conseguir acreditar que a Chibi tem ali uns donos à maneira e que fica bem entregue e que encontrou a sua família humana para o resto da vida. Mas... a minha memória não é curta nem selectiva. Eu lembro-me do cão que o Dono foi obrigado a dar porque a mãe fartou-se dos estragos que ele fazia. E tratava-se de um cão (a minha sogra gosta de cães), macho (a minha sogra para além de não gostar de felinos também embirra com as fêmeas seja de que espécie animal forem, vai-se lá perceber), que a minha sogra tinha sido querido levar para casa, ao contrário da pobre Chibi, que foi apresentada como facto consumado porque a minha sogra não estava sequer em casa quando a minha cunhada a apanhou. E mesmo assim o cão levou sumiço. Quantos meses (ou mesmo semanas) acham vocês que vai demorar até a gatinha ter a mesma sorte?
Ah, e curtam esta: a minha sogra hoje disse coisas do género "ai a gata vai ter de ser educada se não leva", "ai eu detesto quando os gatos andam por cima das coisas", "ai há certas coisas para as quais não tenho paciência, desculpem lá", "ai da gata que faça isto ou aquilo ou frito ou cozido ou assado ou grelhado". Eu a ouvir aquilo tudo e a pensar que a coisa não vai mesmo correr bem. Então fui levantando todas as questões em que acho importante pensar antes de adoptar um animal. Disse-lhe que os gatos chegam a viver 20 anos, disse-lhe que os gatos têm as suas personalidades e que por muito que sejam ensinados vão sempre ter as suas manias, disse-lhe ainda que entre essas manias muitas vezes incluem-se coisas como serem esquisitos com a comida, rebelarem-se quando os caixotes não estão suficientemente limpos, etc e tal. Enfim, quem tem gatos sabe do que eu falo melhor do que eu, que só tive gatos à experiência (infelizmente).
Uma confissão: os cortinados da minha sala custaram 100 contos. É verdade. Entre o tecido, o varão, blablabla, foi um balúrdio - e imaginem quanto mais me teria custado se não tivessem sido costurados em casa. E eu adoro animais, adoro cães, adoro gatos, mas no dia em que a Mia (lembram-se dela?) se pendurou neles... hmm... digamos que me doeu cá dentro. E isso sou eu, que não ligo aos estragos em casa, que não sou materialista, que tenho o lema "as casas não são museus", que gosto de animais o suficiente para relevar os estragos que causam. Mas a minha sogra não é assim. E inevitavelmente a Chibi vai estragar qualquer coisa cara que ela tenha e depois como é que vai ser? Vão livrar-se da gata quando ela já for adulta e muito mais difícil de dar? Vão fazê-la sofrer por se separar dos donos? Não estou propriamente preocupada com o que a minha cunhada vai sofrer, porque a culpa será toda dela por ser ingénua ao ponto de pensar que a mãe a ia realmente deixar ter a gata.

Ps - Sabem aquele argumento que os pais invariavelmente usam quando os filhos lhes pedem um animal de estimação que eles não querem? Dizem: "depois nós, pais, é que temos o trabalho". E é verdade. Até sairmos de casa dos nossos pais e termos um animal do qual só nós é que cuidamos, que nós é que temos de levar ao vet e comprar comida, caso contrário mais ninguém o faz por nós, só então é que podemos considerar esse animal mesmo nosso. Ora, o cão dos meus sogros supostamente era da minha cunhada, por isso o mais lógico seria ela tratar dele. Mas eu lembro-me de ir passeá-lo com o meu marido quando namorávamos e sei que quem paga as despesas todas e lhe dá as injecções de insulina a horas é a minha sogra e sei que muitas vezes a minha cunhada vai namorar ou ao cinema ou fica a dormir até tarde ou isto ou aquilo e tem sempre as costas quentes porque a mãezinha trata do cão. Qual é a lição que a minha sogra ainda não aprendeu? É óbvio que vai sobrar para ela, que agora é tudo muito bonito e a minha cunhada muda a areia duas vezes por dia. Mas daqui a uns tempos será a minha sogra a ter de fazer isso, logo ela QUE NÃO GOSTA DE GATOS E NÃO ESCONDE ISSO DE NINGUÉM. Como é que só eu é que vejo isto???
Enfim... a coisa não vai mesmo mesmo mesmo correr bem. E o pior é estar a ver as coisas a acontecerem e não poder fazer nada. Já tentei alertar, não vou desistir já, mas... por que raios é que isto tinha de acontecer?

NOTA-SE MUITO QUE ESTOU IRRITADA COM A IRRESPONSABILIDADE DAQUELA GENTE (e acima de tudo PREOCUPADA com a pobre da gata)?

10/06/11

Por esta é que eu não estava à espera...


A minha cunhada resgatou da rua uma gatinha bebé com cerca de 2 mesinhos. Já foi levada ao veterinário e por enquanto vai lá ficando por casa dos meus sogros, onde obviamente é bem tratada. Tem comida, casa-de-banho, caminha, etc. Mas é uma situação temporária - porque a minha sogra é uma daquelas pessoas que está sempre a dizer a alto e bom som que detesta gatos.
Ainda não conheço a bichinha pessoalmente nem sei muitos pormenores, porque quem me contou isto foi o meu marido e já sabem como são os homens, nem o nome perguntam. Mas soube que até o meu cunhado que não é propriamente muito fácil de conquistar e não costuma gostar muito de animais anda encantado com ela. Seria óptimo que eles a adoptassem, só que com a minha sogra tão contra duvido muito. Ou então adoptavam-na e daqui a uns tempos ela obrigava-os a darem-na (e seria muito mais difícil em adulta), como ela fez com um cão que o meu marido, então namorado, trouxe da rua e que ia ser nosso quando nos casássemos. Essa ainda me está engasgada...
Por isso, antes que a gatinha tenha o mesmo destino, ajudem-me a divulgar este apelo para ver se lhes arranjamos uns donos realmente bons que fiquem com ela o resto da vida, seja isso 10, 15 ou 20 anos.
Se souberem de alguém interessado, basta contactarem-me através aqui do blog.

PS - O meu marido já me avisou que nesta casa já há animais suficientes, para eu não ficar com esperanças. Será que ele estava a incluir a nossa filhota sanguessuga? hehehe

08/06/11

Vamos divulgar para um dono encontrar!

Apeteceu-me fazer uma pequena rima, não liguem.
Mas liguem a este apelo, sff.

Gatinho Coca procura dono 5 estrelas.
Tem 1 mês e meio, é muito alegre e brincalhão. Só precisa de umas horas para se adaptar ao novo dono e revelar o seu lado meigo.

Macho, tigrado, lindo.

Está em Lisboa.
Contactos: alves.alexandra@netcabo.pt ou 93 88 66 088 (se não atender por favor mande mensagem)


(não consigo pôr as fotos, não sei porquê, mas sim o Coca é LINDO! faz-me lembrar a "minha" Mia.)

05/06/11

O voto é secreto mas...

Eu tenho orgulho em dizer que hoje votei PAN!

28/05/11

Ai a minha vida!

Então anda uma gaija a inspeccionar-lhes o pêlo quando vêm da rua para tirar alguma pargana que esteja escondida (e ainda por cima são da mesma cor dos pêlos e é mesmo difícil topá-las) e que lhes possa causar uma ferida, para depois o raio da cadela comer as parganas que andam pelo chão???

26/05/11

Vergonha no vet

Ontem o Dono levou a Emma e o Sushi ao vet, enquanto eu fiquei em casa com a Danoninha. Senti-me tão má dona por não ter ido que nem vos passa pela cabeça. Anyway, era só para levarem as vacinas e fazerem um check-up anual. Seria de pensar que como temos dois cães os levamos juntos e fica logo tudo despachado, mas... think again. É sempre um caos no vet com os outros animais que estejam na sala de espera, por isso vai primeiro a Emma, depois vai o Sushi. Basicamente o Dono andou a fazer "piscinas".

Então a Emma está com mais 2kg... o Sushi com menos 2kg. Uma vez que eles os mesmos passeios e comem cada um a porção de ração que lhes compete (pesamos as doses e controlamos tudo até ao último grama), a única explicação que me ocorre é que a Emma ganhou os quilos de comida que roubou ao Sushi. Sim, porque aquele totó deixa-a comer do prato dele quando ela acaba a dose dela. Enfim, não é uma questão de ser totó, simplesmente eles lá sabem que com as hierarquias não se brinca...

Mas a vet disse que estavam ambos bem com aquele peso, ela é que convém realmente não continuar a engordar por causa da displasia da anca (e por uma série de outros motivos, claro, que isto da obesidade nos cães é do pior que há). Eu tinha dito ao Dono que ele devia aproveitar para pedir para lhe cortarem as unhacas do polegar visto que sempre me fez impressão fazê-lo e nem sequer chegámos a comprar um corta-unhas. Só que pelos vistos eu não sou a única zombie nesta casa e o Dono esqueceu-se. Por isso, as unhacas da Emma continuam a fazer lembrar o Eduardo Mãos de Tesoura e agora que eu (e as visitas) ando com as pernocas e os pés ao léu por causa do calor vai ser bonito vai.

A vergonha, porém, não foi essa. Não, meus amigos. Não foi por eles terem alterado o peso ou por as unhacas estarem grandes... Foi mesmo a imundice que saiu daqueles ouvidos. Se querem que vos diga não me recordo da última vez que lhes limpei os ouvidos e se for como as ramelas do Sushi que se não sou eu a tirar o Dono nunca tira, estou a supor que o Dono também não os limpou. Acho que a vet chegou inclusivamente a brincar com o facto de que agora eles vão voltar a ouvir bem... ooops! Aliás, acho que a sujidade era tanta que ela chegou a suspeitar que fosse um bicho ou assim. Não, é mesmo só desleixo. Enquanto eu andei a incubar uma Danoninha sanguessuga eles andaram a incubar muita porcaria naqueles ouvidinhos. E como o Dono explicou à vet que agora tínhamos uma bebé e não andávamos tão atentos a estas coisas como antes já sei que ficámos com fama de: "Olhem só mais uns que arranjaram filhos e os animais é que se lixaram." E eu não queria mesmo nada ficar com essa fama. Acho que nunca mais vou ter coragem de lá voltar.

O que me vale é que a clínica do SOS Animal já abriu!!!

23/05/11

Hihihi

Hoje a Emma deu uma lambidela na mão da Danoninha. E eu cá acho que a miúda gostou do beijinho!

18/05/11

Livro de reclamações


Ó Dona, não queres arranjar um tapete aqui para o quarto da Danoninha? Talvez com borboletas para condizer com os puxadores do roupeiro? Hmmm??? Poderíamos dormir umas sonecas tão melhores...

17/05/11

Hierarquias



Há coisas que nunca mudam... (e o meu novo chão é tãooooo mais giro)

15/05/11

Zoo

Já vos falei na Vaca Matilde, mas não mencionei os restantes membros do zoo de pelúcia que tomou de assalto o quarto da minha filhota.
Temos um porco, oferecido pela avó materna para assinalar o 1º mês de vida da Danoninha. Faz "oinhc oinhc" quando se aperta a barriga. Strike 1.
Temos uma vaca, que veio de oferta com um conjunto de biberões oferecidos por uma colega minha. Faz "muuh" quando apertamos - adivinhem - o lombo. Strike 2.
Temos uma avestruz e uma lebre, vindas de um sítio maravilhoso chamado Ikea. Felizmente não emitem nenhum som, se bem que admito que até tinha curiosidade em ver, neste caso ouvir, que raio de som fariam.
Temos uma cabrinha feita à mão pela minha melhor amiga, que é da Eslovénia, portanto podemos dizer que esta cabrinha já é muito viajada.
Temos um leão que tremelica todo quando se puxa a cauda, coitadito. Foi oferecido pela madrinha extremosa, cujo único defeito é ser sportinguista.
Temos uma foca, um tigre e um cão, herdados da tia (de quem vamos certamente herdar muitos mais peluches quando ela perceber que aos 22 anos já não tem propriamente idade para dormir agarrada a eles). O cão chama-se Emshi, porque é da cor da Emma mas tem uns olhos pachorrentos como os do Sushi.
Temos ainda um elefante e dois ursos, um dos quais veio da maternidade com ela e por isso merece um nome especial que ainda não me ocorreu.

E nem me façam falar nas roupinhas deliciosas dela, onde também não falta bicharada.

10/05/11

Frase do dia

A Danoninha estava a chorar porque queria atenção. Eu estava a fazer o jantar e o Dono a tirar a loiça da máquina.
De repente ouvi-o dizer: "Oh Emma, entretem aí um bocadinho a bebé, que ela quer brincar e nós estamos ocupados."
E, como não podia deixar de ser, desatei a rir.
Foi então que ele se virou para mim e disse com a maior das calmas: "É para isso que eles (os cães, obviamente) cá estão. Para brincarem com ela quando nós não pudermos."

hehehe

09/05/11

Conversas de casa-de-banho

A Danoninha e o seu fogo-de-artifício.
A Emma e as suas bombinhas de mau cheiro.
O Sushi e as suas bombas atómicas.

Enfim, é um festival de peidos nesta casa que não há nariz que aguente!

08/05/11

Manhã de Domingo

O Dono ainda está a dormir, os monstrengos a dormir estão... mas a Danoninha está bem acordada, o que significa que eu também estou.
Pus a tocar uma música dos Metallica em versão canção de embalar (quem se lembrou disto é um génio) e estou a fazer figas para que a chupeta não fuja. Vamos lá a ver se tenho sorte, porque preciso mesmo de avançar com um trabalho que tenho em mãos.
Colabora filhota, vá lá! Faz como a Emma e o Sushi que são tão espertos e obedientes (quando querem...)!

07/05/11

Dai-nos paciência...

E nós que nunca quisemos dar aos monstrengos brinquedos que fazem barulho e afinal agora a Danoninha tem montes deles? Ai... vou precisar de muita paciência (ou tampões para os ouvidos!).

05/05/11

Uma questão de QI?

Sempre gostava de perceber porque é que o Sushi tem medo de passar por uma porta entreaberta, mesmo que esteja aberta o suficiente para ele conseguir passar, mas não tem nenhum tipo de problemas em passar por cima do fio do ferro de engomar. Uma pata de cada vez lá vai ele como se nada fosse. Será que não sabe distinguir o que é perigoso do que não é? Já a Emma... Tem tanto medo que quando se está a aproximar do fio trava logo com direito a derrapagem e tudo, depois escolhe outra rota. Não que eu deixe o ferro ligado sem eu estar por perto, credo, mas hoje observei este contraste e deixou-me intrigada.

04/05/11

Frase do dia

O Dono para a Danoninha:
- Com que então não adormeces sem a chupeta, hein? Olha, estás a ver ali o Sushi na caminha dele? Ele não tem chupeta e não é por isso que se põe para aí a chorar...

03/05/11

Finalmente a clínica do SOS Animal abriu as portas!

A grande inauguração está marcada para dia 21 de maio, mas desde hoje que já é possível ir à clínica veterinária do SOS Animal. Yeiii!!! Finalmente!!!
Este é um sonho antigo que só foi possível tornar realidade com muito esforço, paciência... e donativos. Por isso, muito obrigada a todos os que ajudaram!
Os sócios com as quotas em dia e os adoptantes de animais do SOS Animal terão direito a condições especiais (leia-se DESCONTOS).
Por agora, o horário de funcionamento é das 15h às 20h nos dias úteis e aos sábados é das 10h às 15h. A morada é Praceta D. João I, N.º57-B Caparide, 2785-379 São Domingos de Rana.

Ah, e para além das consultas, também há banhos/tosquias, venda de ração, etc.

28/04/11

Frase do dia

"Oh, ela está a portar-se tão bem, até me apetece dar-lhe um biscoito!"
(não, não me referia à Emma...)

27/04/11

Tentáculos

Costumava dizer que não podia ter mais nenhum cão porque só tinha duas mãos, uma para cada um dos cães que tenho. Mas desde que a Danoninha chegou e muitas das vezes me ocupa ambas as mãos descobri a vantagem de ter dois pés... Há alturas em que ela está ao meu colo e eu estou a fazer festinhas à Emma com o pé direito e ao Sushi com o pé esquerdo e basicamente sinto-me uma polva! heheh

23/04/11

A dislexia continua

Ok, então se calhar retiro o que disse sobre estarmos em plena posse de todas as nossas capacidades mentais. Continuamos a trocar "Dono" com "Pai", "filha" com "cadela", "pediatra" com "veterinário", "patas" com "pernas" e por aí fora... É oficial. Somos uma família de loucos. Uma cadela tresloucada, um cão traumatizado, uma bebé alarve, um dono/pai atarefado e uma dona/mãe babada. hehehe

21/04/11

Alarme anti-intrusos

E quando os primos do meu pai vieram cá e se aproximaram do berço e a Emma escorraçou-os de lá? Que ela não gramava muito o sujeitinho já eu sabia, porque da única vez que ele cá tinha vindo a casa ela tinha-lhe ladrado e recusado as festinhas dele, algo que NUNCA faz. Coincidência ou não, eu também não vou muito com a cara dele. (Em contraste, via-a a lamber as mãos da prima do meu pai.) Mas daí até ladrar incessantemente e literalmente escoltar as visitas para fora do quarto (só saiu do quarto quando toda a gente já tinha saído) vai uma grande diferença. Claro que a Danoninha continuou a dormir no berço como se nada fosse, está mais do que habituada ao vozeirão da Emma.
É engraçado este instinto protector da Emma, mesmo como se fosse uma segunda mãe. Nunca tive dúvidas de que seria assim. Não incentivo este comportamento, porque não quero um dia ter problemas com isso. Ela fica sempre um bocado inquieta quando a Danoninha está ao colo de alguém sem ser eu ou o Dono, embora cada vez mais se esteja a habituar à ideia de que os meus pais ou sogros têm livre trânsito para o fazer. Acho que ajuda o facto de eu lhe dizer sempre: "A bebé está bem. Eu é que sou a mãe. Se eu deixo, então não precisas de te preocupar." Um pouco como aquela história de lhe mostrar que sou a líder da matilha e que eu é que cuido dela, em vez de ela ter de cuidar de mim. Lá está, tento mostrar-lhe que a Danoninha não é responsabilidade dela, porque no futuro isso poderia tornar-se confuso para os cães e até problemático (estou a imaginar um filme do género estarmos os cinco a passear e a Emma atirar-se a um estranho qualquer por achar que iria fazer mal à Danoninha e depois o Sushi imitá-la e aí é que a porca torcia mesmo o rabo).
Mas não consigo evitar amar ainda mais a minha cadela por saber que ela ama a minha filha.

19/04/11

E assim se passou um mês


(praticamente só tenho fotos dela a dormir porque ela não faz muito mais por enquanto)


E estamos cá os cinco, vivinhos e em plena posse de todas as nossas faculdades mentais. Não há fralda suja, cólica malvada ou biberão a altas horas da madrugada que corte o nosso barato. Estamos felizes, felizes, FELIZESSS!!!

17/04/11

"Firewall"

É o que dá ser casada com um informático. Ao serão os cães ficam no nosso quarto de sentinela (a Danoninha dorme lá e nós ligamos os "walkie talkies" para podermos ouvi-la enquanto estamos a ver tv na sala) e agora a nova alcunha que o Dono lhes pôs é "firewalls". A Emma é a 1ª firewall porque fica à entrada do quarto, o Sushi é a 2ª porque fica mesmo ao pé do berço. Ai de quem tentar "hackar" hehehe

16/04/11

Já deixou de ter piada

Aquilo que me fazia rir há uns dias atrás de tão irónico que era já não tem assim tanta piada.
Pois é, voltámos a ir a casa dos meus sogros e desta vez foi ainda pior. O cão deles pode até ser pequeno e velhote mas manda cada salto que conseguiu roubar uma botinha à Danoninha mesmo ela estando ao meu colo (e teoricamente fora de alcance para ele). Quando a minha cunhada lhe foi tirar a botinha ele mordeu-lhe - no surprise there, ele já tinha mordido ao Dono duas vezes quando ele ainda morava lá.
Entretanto chegámos à conclusão que o comportamento do cão se deve a pura ciumeira e não a mera curiosidade. Isto porque demos-lhe roupa suja da Danoninha para ele se ir habituando ao cheiro (como tínhamos feito com os nossos e devíamos ter feito com ele) e ele quis roer a roupa, enquanto os nossos simplesmente a cheiraram. E depois levámos lá a Danoninha novamente. Tal como das duas primeiras vezes, quando chegámos ela estava a dormir no carrinho. O cão pareceu reagir melhor. Mas quando ela começou a despertar e a minha sogra se pôs de volta dela toda babada... o ataque de ciúmes sob a forma de pulos para cima da bebé acompanhado de ladrar histérico não se fez tardar. E (erradamente na minha opinião, mas o cão não é meu e na casa dos outros não dou palpites) o cão foi novamente recambiado para o piso de cima.
Portanto... eu não tenho lá ido com a menina, da mesma forma que a minha sogra dizia sempre que não gostava de cá vir a nossa casa por causa de ficar suja de pêlos dos nossos cães (que a adoram e lhe fazem sempre uma grande festa).
Mas não ir lá não é solução. Eventualmente terei de ir. Eventualmente a bebé irá lá ficar durante o dia quando eu for trabalhar. Eventualmente o cão vai ter de se habituar a ela. Eventualmente eu vou ter de confiar que o cão não lhe fará mal. Porque, reparem, eu compreendo o cão. Ele é ciumento, é o feitio dele, e de repente entra por ali uma estranha que rouba todas as atenções. Se eu fosse um cão se calhar também não acharia muita piada à coisa. E ele já é velhote, duvido que de repente deixe de ser ciumento.
Mas uma coisa vos garanto: NUNCA me ouvirão dizer as barbaridades que a minha sogra dizia sobre livrarmo-nos dos monstrengos por causa da Danoninha. Mais depressa arranjo uma creche onde a deixar em vez de a levar para a minha sogra tomar conta dela (aí é que a minha sogra vai mesmo achar que sou maluca, por preferir "tirar-lhe" a menina em vez de prejudicar "um mero animal", até porque ela é DOIDA pela netinha e era bem capaz de se esquecer que já tem o cão há mais de 10 anos, um pequeno pormenor...).
Mas que fico preocupada, lá isso fico. Porque o ciúme é bem pior do que a curiosidade e porque vejo os monstrengos tão protectores em relação à bebé e depois de repente vejo um projecto de cão (que me desculpem os donos de cães pequenos) com potencial para morder a minha princesinha... Até me dói a mim! Por isso, aceito sugestões (e dicas sobre infantários hehehe).

15/04/11

Alarme anti-choro

E quando o Dono está a dormir e eu estou na casa de banho e a Danoninha chora e a Emma vem chamar-me? Entra pela casa de banho adentro e olha para mim com um ar tipo "Então tu não ouves a tua filha a chorar? Estás à espera de quê??? Anda lá, vá! Despacha-te! Ai a minha vida... EU é que tenho de vir chamar-te, hein?! Ai a minha vida... Vá, toca a despachar!"

13/04/11

O que mais me custa...

É ao fim de todos estes meses em "prisão domiciliária" sair à rua e voltar a ver animais abandonados a cada esquina. E o Verão que ainda aí vem... Enfim... o mesmo de sempre :(

09/04/11

Hoje é dia...



De mostrar que somos muitos, de fazer barulho, de defender quem não tem voz.

Eu não vou, porque ainda estou a recuperar do parto, mas a minha vontade é pelo menos ir para a janela do quarto bater com as tampas dos tachos umas nas outras e gritar a plenos pulmões (os vizinhos é que não achariam muita piada...).

07/04/11

Mimos a triplicar!

Hoje tivemos uma visita muito saborosa. A "titia" Carlota veio conhecer a Danoninha e não veio sozinha. Trouxe prendinhas para a bebé (muuuito giras, claro!) e um fantástico bolo de chocolate com framboesas, duas coisas que eu não gosto NADA, estão a ver? Se acham que o bolo fica bem na foto, imaginem na boca. Não resisti a tirar uma foto a esta obra de arte, até porque agora já vai a meio... Sim, a Danoninha tem a quem sair em relação a ser uma alarve hehehe Obrigada pelos mimos, "titia". A Danoninha, os monstrengos e eu (e o meu estômago) adorámos a tua visita!!! (Se quiserem conhecer as delícias da minha amiga, incluindo a receita deste bolo, visitem o blog dela aqui.)

03/04/11

Quem ri por último ri melhor!!!

Ah pois é, quem tem telhados de vidro não deve atirar a primeira pedra. E eu sempre soube que um dia a minha sogra ia provar do seu próprio veneno. Depois de nos ter levado à loucura com as bocas por causa dos monstrengos, eis que foi o cão dela quem se portou "mal" ao conhecer a Danoninha. Verdade seja dita, o cão não fez nada de errado, porque do ponto de vista dele é de facto um cheiro novo, que o deixa curioso, portanto há que deixá-lo familiarizar-se. Da mesma forma que cá em casa foi tudo feito gradualmente e agora podemos dizer à boca cheia que a adaptação foi um sucesso, também o cão dos meus sogros precisa de tempo para se habituar e perder a histeria toda. Sim, HISTERIA é a palavra. Ele cheirava de um lado, cheirava do outro, chorava, ladrava, tentava lamber, eu sei lá mais o quê. A Danoninha dormia como se não fosse nada com ela (se não acorda com o ladrar "à macho" da Emma, não ia acordar com um ladrar da treta). E estão a ver o meu ar de preocupado? Não estão, porque sinceramente prefiro dar a bebé a cheirar, prefiro ter de lavar a mantinha que ela trazia porque o cão lhe tocou, prefiro dar-lhe festinhas durante todo o processo, do que proibir o contacto entre os dois ou refilar com o cão ou seja o que for. Até porque tenho a certeza ele vai ser mais um amiguinho da Danoninha, pois quando eu voltar ao trabalho é na casa dos meus sogros que ela vai passar os dias. Aliás, quando vínhamos embora o cão queria vir no elevador connosco eheheh E aqui entre nós: ver o ar constrangido da minha sogra, com o rabinho entre as pernas, a admitir que o cão dela estava a portar-se pior do que ela achava que a Emma se ia portar, fez-me ganhar o dia!

02/04/11

Coincidência?

Hoje, ao fim de literalmente 9 meses, a Emma saltou para cima de mim quando entrei em casa. Acertou-me com as patas na barriga, onde ainda me dói por causa da cicatriz da cesariana, e fui apanhada completamente de surpresa como devem calcular. Mas para mim foi a prova de que a sacaninha SOUBE durante toda a gravidez que não o podia fazer e portou-se sempre bem, teve sempre muito cuidado comigo. Hoje "vingou-se" hehehe.

30/03/11

Apresentamos a Danoninha

(O pijama tem animais e a mantinha também, claro!)

29/03/11

E ainda dizem que os desenhos animados são violentos...

Prefiro inventar canções de embalar completamente absurdas do que cantar o "atirei o pau ao gato". Já reparam bem na letra? É um incitamento à violência gratuita! Coitado do gato!!!

28/03/11

Parabéns!


O tempo para vir "blogar" é escasso, mas como já passa da meia-noite e já é oficialmente o dia de aniversário da Emma, não podia deixar de vir aqui à caça de "parabéns"! hehe Está crescida a minha princesa peluda, faz 4 aninhos! Tem sido muito linda, recebe cada vez mais elogios pelo seu bom comportamento (até a minha sogra ficou impressionada com o comportamento dela no dia do parto) e da nossa parte não lhe faltam mimos, claro está. Continuo tão apaixonada por ela como no primeiro dia em que a vi chegar, de lacinho (azul) ao pescoço. Aliás, cada vez gosto mais dela, por ser tão inteligente, tão meiga, tão minha amiga. Deu-me muitos cabelos brancos, mas valeu tudo a pena. (E daqui a uns tempos estarei a dizer o mesmo sobre a Danoninha, é cá um palpite.)

24/03/11

O primeiro post do resto das nossas vidas

Nem sei por onde começar... Talvez por dizer que estou muito muito muito feliz? E que me sinto muito muito muito sortuda?
Não me faltam razões pra isso:
1º a minha filhota nasceu saudável e perfeita, deixando-me com a sensação de missão cumprida, e que ainda por cima é uma bebé muito comilona e dorminhoca, super sossegada mesmo e, modéstia à parte, absolutamente linda! (vão ter de acreditar na minha palavra porque não tenho fotos pra mostrar)
2º tenho um marido incrível e super dedicado, sem o qual nada disto teria sido possível e com quem agora posso partilhar uma enorme felicidade que mais ninguém se não ele sente com a mesma intensidade que eu
3º estou rodeada de pessoas que desejam bem à minha filha e isso não tem preço, aliás, o preço a pagar é ter 18 pessoas enfiadas no meu quarto na maternidade ao mesmo tempo (na altura deixou-me de cabelos em pé mas agora já me passou)
4º agora que a Danoninha chegou para completar a nossa família, pude comprovar mais uma vez que tenho os cães mais fantásticos do mundo (desculpem lá os donos de cães que me estiverem a ler) porque se portam muito bem com a bebé e a Emma até parece ser uma segunda mãe
5º apesar de ainda ter muitas dores e precisar de recuperar (afinal de contas, uma cesariana é uma cirurgia), já me posso levantar da cama, ir comer à mesa e em breve até poderei ir passear

Depois de uns dias na maternidade, cheia de saudades dos cães e do Dono, que ficou para trás para cuidar deles, a muito aguardada chegada da Danoninha a casa correu lindamente. Ainda estamos a aterrar e mal tivemos tempo para curtir a nossa filha só entre nós, muito menos encontrar uma rotina, até porque há muitas visitas, telefonemas, burocracias a tratar, etc. Por isso, fica prometido para breve um post a contar a nossa grande aventura, mas por agora vou só levantar o véu: a miúda trocou-nos as voltas a todos e decidiu nascer no Dia do Pai. Neste caso, em vez de ser uma cesariana programada para dia 21, acabou por ser uma cesariana de emergência porque entrei mesmo em trabalho de parto. O que para mim confirma que a lua tem, efectivamente, influência nestas coisas e aquele mito sobre a criança nascer no dia seguinte a termos tudo preparado para a receber tem muito que se lhe diga (lembram-se do meu post de dia 18?).

18/03/11

Frase do dia

Estamos em contagem decrescente e à medida que os vestígios do meu cativeiro vão desaparecendo surgem outros que denunciam o que por aí vem. Hoje o Dono devolveu aos pais a tv que eles nos tinham emprestado para termos no quarto, no seu lugar está agora outro item emprestado por um casal amigo: um berço. E na casa de banho do nosso quarto também já lá está a banheira da bebé, porque eu embirrei que não a queria no quarto dela para não estragar a decoração. (O meu próximo alvo é a cadeira de papa que também está a mais no quarto da bebé, mas se a levarmos já para a cozinha vai roubar espaço aos cães, por isso tenho ficado caladinha.)
Daqui do meu quartel-general (leia-se: cama) olhei à volta e disse:
- A nossa casa está a ficar completamente "bebéficada"!

Primeiro os cães, com as suas camas, trelas, brinquedos. Agora a Danoninha, com os biberões, as botinhas de lã, os pacotes de fraldas. É impressionante como a nossa casa já não é assim tão nossa quanto isso. Mas, como eu sempre digo, as casas não são museus e é a vida que há nelas (e vida significa desarrumação) que faz delas "a nossa casa".

17/03/11

Um selinho para nós!



Recebi este prémio e agora é suposto dizer 7 coisinhas sobre mim. Decidi que, como falo sempre tanto sobre os monstrengos, desta vez vou mesmo falar sobre MIM. Aqui vai:

1- Sou muito comilona. A sério, sou a versão humana dos labradores/aspiradores. Estou sempre com fome, a comer ou a pensar em comida. Adoro comida italiana, embora deteste queijo. Adoro sopa, fruta e legumes, mas peixe nem por isso. Só comecei a comer bacalhau aos 20 e tal anos, mas não como na consoada porque continuo a não gostar de bacalhau cozido. E há montes de pratos e petiscos tradicionais (tipo iscas, dobrada, caracóis, tremoços, enchidos) que simplesmente me fazem vomitar. Mas as comidas de que gosto, dessas gosto mesmo mesmo mesmo muito!!! Tenho desejos de grávida mesmo não estando e fico "aguada" enquanto não os satisfaço. O que basicmente significa que tenho um marido com uma paciência do caraças!

2- Sou dorminhoca. Para conseguir funcionar bem o dia todo preciso de ter dormido pelo menos 8h, mas idealmente 10h... E de vez em quando faço uma "cura do sono" (nos próximos tempos duvido que isso vá ser possível), que consiste em desligar os telefones, deixar o quarto completamente às escuras e dormir tantas horas quantas o meu corpo quiser, mesmo que sejam 14h. É absolutamente fantástico... mas só resulta se o Dono cuidar dos cães, caso contrário quando eles começam a choramingar para comer/passear eu acordo e todo o relaxamento vai por água abaixo.

3- Adoro costurar. Também gosto de fazer tricot, de ver filmes, de ler, mas aquilo de que gosto mesmo, aquilo que me faz perder a noção do tempo, aquilo que me acalma se estiver chateada ou faz com que me sinta bem comigo própria quando estou em baixo é costurar. É uma paixão que (re)descobri recentemente, mas vem da minha infância e me remete para quando a minha avó materna (a quem eu era muito chegada) ainda era viva.

4- Sou muito sensível a cheiros. Acho que o olfacto é o meu sentido mais apurado (quem me dera que fosse a visão, porque sou muito pitosga) e há cheiros que simplesmente detesto, tais como: café, baunilha, gasolina e relva cortada. Em compensação o cheiro de morangos... hmmmmm!!! (o que nos leva de volta ao ponto nº1)

5- Não tenho jeito nenhum para gerir dinheiro e papeladas. Nunca tratei do meu IRS, não sei a password da Segurança Social Directa, não sou eu que pago as contas do mês, nem sequer sei quanto dinheiro tenho no banco. Consigo viver com uma nota de 5 euros na carteira durante semanas, esqueço-me muitas vezes de pedir a factura e de todas as vezes que os meus pais me entregaram um cheque por algum motivo disseram: vê lá se não perdes. Sim, sou mesmo uma desgraça.

6- A minha banda preferida de todos os tempos é... os Bon Jovi. Tenho todos os álbuns, sei todas as músicas de cor, quando era adolescente tinha posters nas paredes do meu quarto e em Julho lá estarei no concerto (o 3º que dão em Portugal e o 3º a que vou). É uma paixão que dura há cerca de 20 anos e não é agora que vai mudar.

7- Nunca me importei por ser "diferente", até gosto. Não tenho as orelhas furadas e acho que nunca hei-de furá-las. Não fumo, nem bebo álcool, nem café, nem chá... Nunca experimentei sequer um charro. Nunca fui de frequentar discotecas. Nunca tive os brinquedos da moda. Sempre que tenho um problema de saúde, sou aquele 1% sobre o qual os livros de medicina não falam muito. E muitas vezes faço as coisas pela ordem "errada". Recebi um anel de noivado depois de ter a data do casamento já marcada, a primeira coisa que comprámos para a nossa casa foi um quadro, quando ainda nem sequer tínhamos casa, nem mobílias, nem nada de nada, e já me despedi de um emprego em que estava efectiva (e onde era miseravelmente infeliz) sem ter arranjado outro emprego primeiro. Não tenho vergonha de dizer que os meus cães são mais importantes para mim do que algumas pessoas da minha família e tenho perfeita noção de que embora a vida fosse mais "fácil" sem eles, seria muito mais infeliz. Acima de tudo, acho que é importante sabermos quem somos e o que queremos, não ligar ao que os outros pensam e assumir as nossas decisões com coerência mas sem cair na teimosia e ignorância. E se tentarmos viver todos os dias respeitando a nós próprios e aos outros, não teremos arrependimentos e seremos felizes. (E se ser optimista e sonhadora e romântica ou lá o que lhe quiserem chamar fizer de mim "diferente", so be it!)

15/03/11

Conversa de caca (outra vez)

Porque com o Sushi aparentemente vem sempre tudo em dose dupla (como aquela história de vomitar na manta), deu-lhe novamente uma cólica às 5 da manhã e ele veio chorar para a porta do nosso quarto.
A Danoninha decidiu que nesta recta final iria ter aulas de kickboxing pela madrugada fora, todas as noites, por isso eu ainda estava acordada. Com algum esforço lá me levantei para ver o que o cão queria. Pensei que talvez a Emma estivesse a ocupar a cama dele como às vezes faz ou que ele tivesse vomitado na manta ou sei lá o quê (àquela hora e depois de tanta porrada nas minhas entranhas não estava a raciocinar lá muito bem).
Mas depois lembrei-me que horas antes ele tinha conseguido comer raspas de madeira do canteiro na entrada do prédio. Sim, leram bem: raspas de madeira. Substituímos finalmente as bolinhas que eles comiam desalmadamente como se fosse ração por aqueles bocados de madeira próprios, na esperança claro está que eles pela madeira não se interessassem, e a coisa até estava a correr bem. Pelo menos já não vão esvaziar os canteiros do hall do prédio de todas as vezes que abrimos a porta às visitas.
Portanto, a conclusão a que cheguei foi: diarreia outra vez. Eu sei que este assunto não é o mais agradável mas há uma moral da história e eu estou quase a chegar lá.
Não queria propriamente acordar o Dono àquela hora num dia de semana para lhe pedir para levar o Sushi à rua, por isso - confesso - virei-me para o cão e disse-lhe que a culpa era dele e que se aguentasse. Eu sei, eu sei, nem parece meu, mas a Danoninha anda a tirar-me do sério com tanta pancadaria, ele é os pés encaixados nas minhas virilhas, a cabeça a comprimir-me as costelas até me faltar o ar, enfim... Nem ela está confortável nem eu, é a mais pura das verdades. Inspira, expira, só faltam uns dias.. e umas noites!
Só que, por milagre ou simplesmente porque anda preocupado com a possibilidade de me rebentarem as águas, sei lá, pelos vistos o Dono anda com um sono mais leve porque nos entretantos lá acordou. Sem sequer reclamar, ele que tem tão mau feitio quando acorda, calçou-se, vestiu um casaco por cima do pijama e lá levou o cão para fazer o que tinha a fazer.
E depois quando voltou para a cama, ainda me disse que eu o devia ter acordado logo, coitado do cão ali a aguentar há sei lá quanto tempo e que preferia levantar-se do que fazer o pobre cão passar mal e que se eu sabia que o desgraçado do cão estava assim ele também tinha o direito de saber e mais isto e mais aqueloutro. Enfim, eu passei de dar um sermão ao Sushi para levar um sermão do Dono.

Mas sabem que mais? Senti tanto orgulho do maridão que tenho. Ele é um excelente dono e vai mesmo ser um excelente pai. E essa é que é essa!

13/03/11

Só lhes falta falar...

Uma destas noites, estávamos a ver um filme mas as legendas eram muito pequenas pra minha "pitosguice", então o Dono aproximou o móvel da tv da cama para eu poder ver melhor. O móvel ficou então a impedir a passagem dos cães, se quisesse ir à janela ou passar para o lado da cama que corresponde ao Dono não conseguiriam.
O Sushi andava pelo quarto inquieto, como se quisesse passar, o Dono lá se levantava da cama e chegava o móvel para trás para que o cão tivesse espaço para passar, o cão mesmo assim não sossegava, o Dono voltava a pôr o móvel para a frente... Dizíamos para ele ficar quieto, mandávamo-lo deitar... nada. Basicamente, o Sushi estava chato que nem a Emma.
Sempre que estranhamos assim o comportamento de um dos nossos cães (e uma vez uma veterinária disse-me que ninguém conhece o cão como o seu dono) é porque algo se passa. O Sushi queria dizer-nos ou pedir-nos alguma coisa.
Eis que ocorreu ao Dono que talvez ele quisesse ir à rua.
O cão ficou histérico mal o viu a pegar na trela, disparou porta fora e... basicamente desfez-se em diarreia três vezes. É que nem foi esquisito em relação ao local, foi assim que pode. Tadinho, estava mesmo mesmo mesmo aflito.
A Emma no lugar dele teria - literalmente - cagado na situação e se fosse no chão da cozinha era e pronto. Mas o Sushi não descansou enquanto não chamou a nossa atenção para o seu assunto premente. E é por estas e por outras que eu digo que tenho o cão mais espectacular do mundo. E é por estas e por outras que eu digo que todos os donos devem ter noção dos sinais que os seus animais transmitem para comunicar connosco, porque de facto só lhes falta falar...

12/03/11

Frase do dia

"Era bom era..." - disse o Dono, ao ver um homem a andar de bicicleta com o cão a correr obediente ao lado dele.

10/03/11

PS

PS - Mas como qualquer "mãe" dei a brincadeira por terminada quando o tio Igor se entusiasmou demais, atirou a bola para o sítio errado e os cães deram um encontrão no móvel da televisão..

Jogar à bola dentro de casa

Quando eu era miúda, lembro-me que a grande proibição das mães dos meus amigos era sobre jogar à bola em casa. Por causa do barulho para os vizinhos, para não partirmos nada... enfim, nada de bolas dentro de casa.

Agora com os cães, visto que o único brinquedo que sobrevive é a famosa bola da Friskies (às vezes temos bolas de ténis mas nunca duram e só a Emma é que lhes pega), até temos de ter algum cuidado a andar pela casa - sobretudo desde que não vejo os meus próprios pés - para não tropeçarmos nas bolas e escusado será dizer que ainda bem que não temos vizinhos debaixo de nós. Portanto, que moral terei eu se a Danoninha quiser brincar com bolas cá em casa?

A Emma mal vê o meu pai vai logo buscar a bola. E quantas vezes tem uma na boca e encontra outra por aí e quer as duas? heheh Podem atirar-lhe a bola 40 vezes, das 40 vezes ela vai buscá-la e trazê-la com a mesma alegria.

O Sushi não. É ele que vai buscar a bola e literalmente come-a (cabe toda dentro da boca dele e com aqueles "dentinhos" dele mal a começa a roer começam a saltar bocados), se a bola rola para longe ele não se levanta para ir buscar, se a atiramos ele não vai a correr atrás dela, nada. Isso sempre me fez imensa confusão, ele parece aquelas crianças que são filhas únicas e estão habituadas a brincar sozinhas.

Mas recentemente aconteceu um "milagre". O tio Igor estava cá e cheio de paciência pôs-se a brincar com os monstrengos. Atirava a bola à Emma para longe e enquanto ela não voltava atirava a bola ao Sushi. A Emma vinha trazer a bola, ao Sushi era preciso tirá-la. A primeira vez ele rosnou - algo que eu nunca o tinha visto fazer. O tio Igor teve algum receio de lá voltar a pôr a mão, compreensivelmente, então mudou de estratégia e roubava-lhe bola com o pé, depois pegava e atirava. Ao fim de algumas vezes, o Sushi já tinha percebido e já imitava a Emma, indo buscar e trazendo. Eu nem queria acreditar. E mais: a dada altura, até foi possível inverter a ordem e atirar primeiro a bola ao Sushi, ordenando à Emma que ficasse quieta enquanto o cão ia buscar e trazia, só depois é que a bola dela era atirada. Nunca pensei que o Sushi tivesse ousadia para tanto, e de facto ele hesitava um pouco e só quando percebia que a Emma não ia é que corria para a bola. E foi um gosto vê-lo a brincar assim (e foi um orgulho ver que os meus cães são mesmo espertos hehe).

Ora, sai um babete da Danoninha para limpar a minha baba...

08/03/11

Há dias assim...

Há dias melhores e dias piores. Mas os meus cães estão ao meu lado todos os dias...

04/03/11

The final countdown

A Danoninha vai nascer no dia 21.
É o meu dia, apesar de não ser no mesmo mês. É dois dias antes do aniversário do papá. É o início da Primavera. É o dia da árvore e do planeta e do ambiente e mais não sei o quê. Por tudo isto parece-me muito adequado que ela nasça neste dia. Mas na verdade a cesariana ficou marcada para esta data por uma razão bem mais trivial: estará de serviço o anestesista preferido do meu obstetra. E esta, hein? heheh
(Aqui entre nós, eu acho que a miúda vai decidir nascer antes, só pra ser do contra. Com a personalidade que ela já demonstra nas ecos - é vê-la sentadíssima como se estivesse na esplanada e sempre a abrir e a fechar a boca feita esfomeada - já nada me surpreende!)

26/02/11

Running joke

Cá em casa há uma picardia entre mim e o Dono no que toca a cores. A ponto de a nossa running joke ser que o Dono é daltónico. Onde ele vê cinzento, eu vejo bege, e esqueçam lá os tons de azul (navy, petróleo, acqua, eléctrico, bebé...) ou de rosa (choc, velho, chiclet...) porque são um total mistério para ele.
Mas hoje ele enganou-se e pôs a trela da Emma (vermelha) no Sushi (cuja trela é preta)??? Ao ponto que já chegámos... hehehe

23/02/11

Ainda mais lindoooo!!!!!

Ontem falava sobre o Kevin Richardson, que dedica a vida a estudar e interagir com os grandes felinos. Mas hoje mostro-vos um vídeo que recebi por email e nele podemos ver como uma simples turista (ou seja, não estudou comportamento animal nem tem anos de experiência na área) conseguiu conquistar o carinho de um animal supostamente tão perigoso como o leão-mArinho. Estou completamente histérica com este vídeo e não podia deixar de partilhar!

video

22/02/11

Lindooo!!!


Para quem ainda não conhece o trabalho de Kevin Richardson com leões e outros felinos, recomendo vivamente que espreitem as fotos e vídeos aqui.

21/02/11

A boa acção do dia

Sinceramente, acho que é importante fazermos uma boa acção por dia (pelo menos uma). Mas a de hoje é da autoria do Dono, não posso ficar com os louros.
Atão não é que hoje graças a ele há por aí um cachorrinho feliz com a sua nova família?
Uma colega do Dono andava a pensar em ter um cão, adoptado claro, e tinha preferência por um rodinhas baixas ainda cachorrito. Eu nem sequer sabia desta história, mas pelos vistos ela ontem foi à campanha de adopção do SOS Animal em Belém, porque o Dono lhe disse, mas os 3 cchorrinhos que lá estavam... já não lá estavam!
Então hoje à hora de almoço o Dono trouxe-a aqui à nossa zona, onde há uma loja de animais que em vez de vender dá animais, e meio dito meio feito, a rapariga escolheu um dos 7 cachorrinhos que lá estavam. (Segundo o Dono havia dois manos lindos cruzados de castro laboreiro com labrador, com umas patorras enormes, por isso não sei como é que foi só a rapariga a sair com um brinde lá da loja, a esta hora eu podia perfeitamente ter mais um filhote em casa, mas o Dono resistiu.)
Depois o Dono levou a colega e o novo amiguinho de volta ao emprego deles, onde não sei muito bem quem da família dela o foi buscar. Diz o Dono que na viagem de 20 minutos o cachorrinho conseguiu a proeza de mijar, cagar e vomitar no nosso carro LOL Nada que a Emma também não tivesse feito quando o Dono a trouxe cá para casa, mas a viagem dessa vez foi bem maior.
Qualquer um teria ficado chatedo (acho que a colega do Dono fartou-se de pedir desculpas, toda embaraçada) mas connosco estas coisas são na boa, porque temos uma capa impermeável que cobre todo o porta-bagagens e é a coisa mais fácil de lavar. No emprego do Dono estão a decorrer umas obras e havia um mangueira disponível, que ele usou para lavar a capa, já secou durante a tarde e já está de novo no porta-bagagens. "Problema" resolvido.
E foi assim que hoje já me babei toda de orgulho pelo maridão que tenho...

16/02/11

Procuro FAT ou FAD para duas gatinhas de rua super meiguinhas já esterilizadas

Encontram-se na zona de Cascais e são alimentadas por uma amiga minha que agora tem a polícia à perna por causa dos vizinhos maldosos. A situação está a tornar-se insustentável porque ela não quer parar de ajudar as bichaninhas, por isso o melhor mesmo é arranjar-lhes casa. Foi a minha amiga que patrocinou as esterilizações e não pode ficar com elas porque já tem vários gatos.
As gatas são super meiguinhas e não precisam de ser acolhidas/adoptadas em conjunto.
Se souberem de alguém disponível e interessado, avisem!

15/02/11

As notícias sobre a "minha" Leila não são boas (Li não leias este post)


A outra madrinha da Leila (visto que eu sou uma desnaturada) foi visitá-la este fim-de-semana ao hotel onde ela se encontra e veio de lá, como é mais que óbvio, com o coração pequenino por não a poder trazer.
A boa notícia é que a nossa menina continua igual a si própria: assim que a tiram da box, corre, corre, corre, corre... Vai fazer pirraça aos outros que estão presos e de vez em quando vem ao pé das pessoas para dar mimos, mas depois lá vai ela correr mais um bocado. A madrinha levou-lhe biscoitos e um brinquedo e claro que a Leilocas-larocas adorou.
Continua muito magrita apesar de comer bem. Já fez 3 testes à Leishmaniose e dá sempre negativo, portanto ninguém percebe porque é que ela não engorda.

Agora as más notícias. Desde que teve febre da carraça tem estado fraquinha e agora tem dois quistos - um em cada pata da frente - com mau aspecto e vai ter de ser operada porque a biópsia não acusou boa coisa. Só que por outro lado não pode ser operada enquanto não estiver mais forte.

E depois há que considerar a idade dela. Quando a conhecemos era jovem, mas o tempo foi passando e agora calculamos que tenha cerca de 8 anos. Quem é que a vai querer adoptar? Como sabemos, os cães séniores são sempre preteridos porque toda a gente quer é um cachorro. Além disso, a Leila precisa de ser filha única porque não se dá bem com outros animais (fruto de todos os traumas que já sofreu, pudera) e isso tem sido um entrave mais do que uma vez.

Eu que não a fui visitar chorei ao ver as fotos e saber as novidades, quanto mais se tivesse lá ido. Nunca derramei tantas lágrimas por um animal como por ela. Esta era a cadela que eu traria para casa se pudesse. "Se pudesse" não chega. Tem de haver mais alguma coisa que eu efectivamente possa fazer por ela. Por favor, ajudem-me a ajudar...

14/02/11

Amor

Já passa da meia-noite, por isso é oficialmente Dia dos Namorados. Nós por cá não ligamos muito a esta data, se trocamos prendas é algo simbóllico e fazemos questão de NÃO ir jantar fora (vamos sempre uns dias antes ou depois, para provar que de facto o Dia dos Namorados é qulquer dia).
Mas não deixa de ser engraçado que tenha feito login precisamente com a intenção de escrever sobre o amor, e afinal até é um tópico adequado à data.

Acredito que o amor está na origem de praticamente tudo o que fazemos na vida e também acredito que nos maus momentos há sempre uma lição para aprender. No meu caso, os maus momentos de que me consigo lembrar ensinaram-me sempre algo sobre o amor.

Sinto-me mais rodeada de amor agora do que nunca. Primeiro porque estou grávida e nõ consigo evitar pensar que é um milagre absolutamente maravilhoso. Mas esse momento que devia ser só maravilhoso, também tem sido muito difícil. Estou há cinco meses numa cama e sei que tenho o melhor marido do mundo, que cuida de mim no sentido físico da coisa mas também me mantém animada e focada no que é importante. E ainda hoje a minha mãe passou a tarde a tricotar à minha cabeceira para me fazer companhia e sei que independentemente de não termos uma relação perfeita ela é a melhor mãe que consegue ser, o que automaticamente faz dela a melhor mãe que eu posso pedir.

E depois há os meus cães, claro. Que simplesmente não querem saber se eu estou na cama ou não, se o pijama é praticamente o meu uniforme, se me custa imenso cortar as unhas dos pés ou se tenho os braços doridos de tirar sangue para fazer análises a tudo e mais alguma coisa. Eles vêm ter comigo para que lhes dê mimo, a Emma traz a bola para que eu a atire e tem cuidado em nunca me magoar (é como se soubesse, a sério). Eles pedem pouco e em troca dão tanto. Fazem-me rir, fazem-me sentir a pessoa mais importante do mundo, dão-me beijinhos, enfim... Vocês sabem do que é que estou a falar.

Os meus cães tornaram-nos uma família, muito antes de a Danoninha ser sequer uma possibilidade, um sonho, um projecto. E agora ela é cada vez mais real (falta mesmo muito pouco). Mas embora toda a gente me diga que tudo vai mudar, uma coisa vai permanecer igual: enquanto eles forem vivos, serão sempre parte da família. Simplesmente vamos ser uma família maior.

11/02/11

Elementar, meu caro Watson!

Facto: como de costume, a empregada pôs a cama da Emma dentro da cama do Sushi (ambas com as respectivas mantas) e equilibrou-as no parapeito da janela e no estendal da roupa enquanto limpava o chão da cozinha.

Facto: ao serão, enquanto o Sushi dormia na cama dele, a Emma andava desassosegada pela casa, vinha ter connosco, choramingava, ia dormir para o móvel do hall... Nenhuma de nós percebia bem o que ela queria.

Facto: ocorreu-me que algo de errado se passava com a cama dela, para ela não ir para lá. O Dono foi dar com os brinquedos debaixo da manta, o que tornava impossível que ela se deitasse de forma confortável.

Facto: mesmo depois de os brinquedos terem sido removidos da equação, a Emma continuava com o mesmo comportamento estranho.

Facto: a manta dela estava molhada por causa da chuva que caiu durante o período de tempo em que se verificou o Facto nº 1 e o Dono não tinha reparado nisso quando tinha resolvido o problema referido no Facto nº 3. O que nos leva ao Facto nº 6...

Facto: o Dono teve um novo têtê-a-têtê com o meu secador para ver se a manta da Emma enxugava e ela podia ir dormir na caminha dela feliz da vida (no entretanto improvisámos uma manta com uma das toalhas de lhes limpar as patas nos dias de chuva). E isso leva-nos ao Facto nº 7...

Facto: devíamos mesmo comprar mais uma manta a cada um e, literalmente, save it for a rainy day.

De pequenino é que se torce o pepino

Dizem que um dos maiores erros dos pais é quererem que os filhos sejam o seu espelho e que vivam a vida que nós por algum motivo não pudemos viver (tipo ser médico e isso assim). Eu vou tentar não fazer (muito) isso, porque foi o que a minha mãe me fez - ela ainda não perdeu a esperança que eu comece a vestir-me como ela.
Mas numa coisa faço questão que a Danoninha seja igual a nós: que goste de animais. E acho que tenho tudo a meu favor. Ora vejamos:
- vai ter pais que gostam de animais
- vai ter dois "póneis" em casa
- o quarto dela está decorado com borboletas
- quase todas as roupas dela têm animais (desde pantufas com coelhos e outras com leões, a casacos com caracóis, a vestidos com peixinhos, a bodies com joaninhas, a babygrows com ursinhos...)
- e se eu for bem sucedida nesta minha missão incubadora para evitar que ela nasça antes de tempo (o que me condicionaria a escolha do hospital), ela poderá nascer a 500m do Jardim Zoológico (não que eu goste particularmente de zoos, mas a menos que me saía o euromilhões e possamos fazer um safari em África, será o mais perto que a miúda vai chegar dos elefantes and such).
- já para não falar que assim que eu puder tenciono levá-la às campanhas do SOS Animal
- e até o signo dela vai ser um animal (ou Peixes ou Carneiro).

Portanto, acho que posso dormir descansada.

10/02/11

Antrax?

A minha medicação para controlar as contracções consiste numa carteirinha que se dissolve na água, tipo aspergic, e tenho de a tomar ao pequeno-almoço, lanche e ceia. Hoje de manhã, cheia de sono, resmungona e pitosga até mais não, quando me preparava para tomar o remédio aconteceu uma desgraça. A Emma devia pensar que aquilo era Antrax ou coisa assim e decidiu entornar o copo. Era água pelo chão, pela mesa de cabeceira, enfim... E depois eu comecei a desviar tudo para que o Dono pudesse limpar e peguei no copo, que eu pensava estar vazio, mas não estava, e acabei por entornar o resto em cima da cama. Parecia que tinha feito xixi na cama, só vos digo. Felizmente, o Dono estava de saída para o trabalho e eu pude ir dormir para o lado da cama que lhe pertence. E só voltei para o meu lado à noite, portanto foi um dia diferente... como se tivesse feito turismo "vá pra fora cá dentro"!