31/05/09

Faltam-me as palavras...


... e olhem que é raro isso acontecer-me. Normalmente falo pelos cotovelos, escrevo linhas e linhas... mas quando algo me toca tanto bem lá no fundinho, como é o caso, confesso que tenho dificuldade em expressar o que sinto, pelo menos sem chorar baba e ranho.

Baba e ranho foi de facto o que eu chorei quando se fechou a grade da box da Leila, a sua nova casa para grande desgosto meu, e ela me olhou com o ar mais infeliz do mundo, como quem diz: "Então? Não me portei bem? Afinal vais deixar-me aqui? Vais virar-me as costas? E eu, fico aqui?".

Desde que o seu agora ex-dono foi ter connosco e nos devolveu a Leila até àquele preciso instante, ela esteve sempre na maior - nem chorou, nem protestou, nada. Sempre com aquela cara de "Leilocas-carocas-larocas", como as madrinhas a baptizaram.
Por isso, mesmo estando ambas com os nervos à flor da pele e o coração apertadinho, fomo-nos aguentando. Só que depois já não me consegui controlar mais. Logo eu, que choro com qualquer cena lamechas, seja em filme ou em livro.

Para quem é novo por estes lados, vou fazer um resumo da história da Leila. Desde que a conheci no final do ano passado, a Leila já viveu no canil de Lisboa, depois num hotel, depois numa casa, agora noutro hotel. Sem contar com o que ela já teria passado até ir parar ao canil e às campanhas do SOS Animal, claro... Quando já pensávamos que tinha finalmente encontrado uma família que a trataria como ela merece, comunicaram-nos que iam mudar de casa e não a podiam levar. É uma desculpa como tantas outras, quem se lixou no meio disto tudo foi a pobre da cadela que nunca fez nada de errado.

Para todos os efeitos, neste preciso momento em que vos estou a escrever isto (e é por isso que estou tão triste) a Leila sente que foi abandonada... outra vez. Ela não compreende. Ela está triste. E eu estou triste por ela, precisamente por isso.

Mesmo para quem gosta de animais, se pensarmos de forma objectiva, a Leila é realmente mais um animal a precisar de ajuda. Há animais em situações muito piores - feridos, ao relento... Pelo menos a Leila está numa box, a salvo dos atropelamentos, das pedradas, da chuva, com comida e água. E, sobretudo, ela tem quem lute por ela. Mas, quando deixo o lado subjectivo (inevitavelmente) vir à tona, a Leila não é mais um. Para mim, ela é A cadela que não me sai da cabeça.

Por favor, continuem a divulgar este caso entre as pessoas que conhecem. Ela é linda, meiga, super asseada, dá-se bem com crianças... não sei mais o que vos dizer... ela merece tanto uma vida melhor!!!



(E olhem que isto sou eu sem palavras, imaginem!)

8 comentários:

Pepe disse...

:(((((

Van Dog disse...

Tanta volta, Leila, o resultado só pode ser bom. Só pode.

Carracinha Linda! disse...

Olha... acredita que fiquei triste e de lágrimas nos olhos ao ler as tuas palavras...

Mas é preciso pensar positivo e continuar a acreditar, como o Van Dog, que a Leila vai encontrar uns donos à maneira, capazes de a amar e tratar bem...

Beijoca

Sandra Duarte disse...

... a mim também.
Não sei o que te diga.
Apenas deixo um abraço

Sandra

Isa disse...

Ela é realmente linda e vê-se a tristeza no seu olhar nas fotos.
Vou divulgar no meu blog,mas penso que era importante ter os contactos para adopção. Ela encontra-se a cargo da SOS Animal?
Eu sou voluntária na Associação Focinhos&Bigodes, mas tenho muito gosto em divulgar outros apelos.
Isa

Inca disse...

estou a torcer por ti Leila.

Uma dona babada disse...

Isa:

sim, a Leila está sob a responsabilidade de duas voluntárias (eu e outra) do SOS Animal. Os contactos para adopção são:

dep.comunicacao@sosanimal.com
dep.comercial@sosanimal.com

ou os gerais do SOS Animal.


Obrigada pela divulgação!

Sónia disse...

Vou copiar o teu texto, pode ser?