21/01/10

Castigo

A Emma anda outra vez a portar-se muito mal em relação a fazer chichi em casa. Ontem de manhã tinha feito, quando regressámos do trabalho tinha feito, fomos jantar fora e quando voltámos para casa tinha feito, hoje de manhã tinha feito.

Nós refilamos com ela, dizemos sempre a mesma ladainha, vamos lá mostrar-lhe exactamente a que é que nos referimos (o Dono arrasta-a para ao pé do chichi e obriga-a a cheirar), pomo-la de castigo, limpamos sem ela estar a ver, recompensamo-la quando ela faz chichi na rua e quando não faz em casa, enfim, fazemos tudo como sabemos fazer.

Ela vai fazer 3 anos em breve. Estamos a ficar sem ideias...

E não, não é um problema de saúde. Não é diabetes nem incontinência, nada disso. Ela aguenta 10 horas se for preciso. Ela até já aguentou quase 24 horas quando a levámos connosco para o Alentejo e insistíamos para que fizesse chichi e ela não fazia só porque era um sítio estranho. E quando de férias para o Algarve nunca quer fazer chichi quando paramos na área de serviço nem quando lá chegamos, porque de facto só se sente à vontade na zona que já conhece.

Não é só uma questão de ter de andar sempre a limpar o chão. É uma questão de não poder levar ninguém lá a casa se não tivermos entrado primeiro para ver se está tudo bem, é uma questão de ninguém querer tomar conta dela durante uns dias (uma amiga ofereceu-se para ficar com o Sushi durante as nossas obras, mas na Emma ninguém pega, claro). É uma questão de ela ter mesmo muita muita muita sorte por termos sido nós a adoptá-la e não outras pessoas com menos paciência e amor pelos animais, que provavelmente já se teriam livrado dela (como a nossa família insiste que façamos).
Ou então, somos nós os únicos culpados por ela fazer isto, e nesse caso ela tinha ficado mais bem entregue a quem a soubesse educar melhor. Não sei.

Como disse, estamos a ficar sem ideias.

2 comentários:

Sandra Duarte disse...

Dona babada,

do que aprendi, o que te posso dizer é que está tudo correcto menos o ralhar e levá-la ao local para ela cheirar. Ainda que a ralhar estão a dar-lhe atenção: que é o que ela quer.
Recompensar muito, muito quando faz na rua (se possível com guloseimas e festinhas) e tentar não ligar quando ela faz no local errado.

Uma dona babada disse...

oi Sandra!
Também sou a favor de não ralhar e não ligar, mas o Dono discorda. O que acaba por acontecer é que ele ralha com ela e comigo por não ralhar mais com ela. E depois acontece aquilo que eu acho mesmo que não devia acontecer: ele é o "polícia mau" e eu sou o "polícia bom"...