27/02/10

Under construction

Esvaziar móveis, seleccionar o que fica e o que vai para o lixo e para a reciclagem, arranjar um sítio temporário para todas as loiças, copos, velas, molduras, roupas... uiii... estamos em denial... arrastar móveis, dar outros móveis, comprar outros móveis, pintar as paredes, voltar a pendurar todos os quadros (com uma cunhada pintora acreditem que são muitos), voltar a pôr os móveis, limpar tudo, olhar à volta e ficar satisfeito, enfim, descansar.

As obras a sério ainda não começaram mas a canseira sim. E este é o cenário das próximas semanas. Só hoje já demos duas estantes, deitámos fora outra (roída irremediavelmente pelos cães) e daqui a uns minutos devemos ficar temporariamente sem mesa da cozinha, porque uma das pernas está a rachar e precisa de ser substituída (fiquei a saber que é o que acontece quando se tem mesas de 1,60m de comprimento em madeira maciça e as arrastamos todos os dias para limpar o chichi de cadelas porcas).

A casa está mais vazia, despida, desarrumada, não me admiraria se até já se notasse um certo eco. Os cães por agora têm mais espaço para brincar, mas quando cá estiverem os homens das obras terão de ficar fechados na cozinha para não atrapalhar (nessa altura até vou ficar contente por não ter mesa). Andamos num rebuliço e eles também. Ficam inquietos, correm de um lado para o outro, cheiram tudo. Têm vindo estranhos cá a casa para carregar e descarregar coisas e eles ficam fechados ora no escritório, ora na sala, ora na cozinha, por causa da porta da rua aberta e de a Emma não andar a saltar para cima das pessoas. Sempre que voltamos a soltá-los parecem cães de caça a jogar ao jogo das diferenças: o que foi que mudou desta vez?

Não vejo a hora de chegar à parte de "... limpar tudo, olhar à volta e ficar satisfeito, enfim, descansar."